Pintura eletrostática a pó x pintura líquida: quais as diferenças

pintura eletrostatica a po x pintura liquida quais as diferencas

Amplamente utilizada no setor industrial, a pintura eletrostática é um método de acabamento recomendado para equipamentos e materiais ferrosos e não ferrosos. Além de oferecer opções de layout diferenciados, a técnica protege as superfícies contra corrosão e desgastes do tempo.

Considerando a importância do processo, é válido conhecer as opções de pintura que podem ser feitas com produtos em pó ou líquidos. Desse modo, reunimos no artigo a seguir, informações sobre as duas alternativas e quais as aplicações indicadas para cada caso. Continue a leitura e entenda mais sobre o assunto. 

 

O que é pintura eletrostática?

Em primeiro lugar é preciso esclarecer que a pintura eletrostática é considerada uma das técnicas mais eficientes para cobertura de superfícies metálicas, ferrosas e não ferrosas. O produto é dividido em três tipos: poliéster (ambientes externos), epóxi (resistência a corrosão) e híbrido (combinação dos dois tipos). 

O princípio de funcionamento da pintura é realizado com a aplicação feita com pistola específica, na qual há um compartimento para a tinta. Antes de ser projetada para fora, o produto é carregado eletricamente com cargas positivas ou negativas na superfície que contém cargas opostas. 

Dessa maneira, ao entrar em contato com o material aplicado, os polímeros da tinta passam por um processo em que as cargas opostas são atraídas umas para as outras, resultando na melhor fixação do produto. O acabamento é feito com estufa, a fim de que a pintura tenha uniformidade e secagem eficiente. 

A pintura eletrostática pode ser feita com produto em pó ou líquido, em diferentes superfícies, desde que sejam condutores de energia elétrica. Desse modo, os metais ferrosos como o aço e os não ferrosos como o alumínio apresentam ótima aderência. 

 

Quais as diferenças entre a tinta eletrostática em pó e líquida?

Em primeiro lugar, vamos destacar as características do produto em pó. Nesse procedimento, a tinta em pó recebe um jato de ar seco e filtrado, que esguicha a substância para fora do equipamento. Uma recomendação dos especialistas é de que o objeto a ser pintado deve estar pré-aquecido, para melhor aderência. 

No caso da pintura eletrostática a pó, são utilizadas as seguintes tintas: epóxi, poliéster, poliuretano e metálica. Em razão das opções de uso do produto, o processo pode ser empregado em aparelhos eletrônicos, móveis, equipamentos de transporte e da construção civil. 

Por outro lado, a pintura eletrostática líquida oferece mais opções de aplicação com diferentes modelos de pistolas, sendo que a mais eficiente é semelhante ao método de aerossol. O procedimento confere melhor acabamento e rapidez no trabalho, e serve tanto para o produto em pó, quanto o líquido. 

Uma recomendação relevante para o processo líquido é que a superfície deve estar limpa da presença de óleo, gordura, poeira ou partículas. A falta de preparo adequado pode resultar em um acabamento de baixa qualidade, já que esses elementos ficam aparentes depois da pintura. 

De maneira geral, as pinturas eletrostáticas líquidas ou em pó apresentam dureza elevada, resistência à abrasão e impacto, além de oferecerem proteção anticorrosiva nas superfícies aplicadas. 

 

Vantagens e desvantagens das tintas eletrostáticas

Para traçar um resumo dos pontos positivos e negativos de cada tinta, elencamos as principais considerações, confira:

Tinta a pó: não usa solvente na composição e, por isso, não gera poluentes. O produto oferece baixo risco de incêndio, está disponível pronto para uso e pode ser feito com uma só demão. 

Em termos econômicos, oferece menor custo por metro quadrado e o tempo de execução é mais rápido. Quanto ao aspecto negativo, as tintas a pó não podem ser misturadas e oferecem opções mais restritas de cores. 

Tinta líquida: é uma técnica bastante conhecida e oferece maior variedade de cores. A consistência permite que seja aplicada em diferentes materiais, como madeira, metais e pedras, por exemplo. Em superfícies irregulares tem maior eficácia de distribuição e um acabamento de superfície com alta uniformidade.  

Em contrapartida, apresenta alta dependência de substratos do petróleo e precisa ser diluída, aumentando o tempo para finalização da pintura. 

É importante destacar que a pintura eletrostática é extremamente durável, contudo, para realizar uma manutenção eficiente deve-se evitar a exposição às intempéries e o uso de produtos abrasivos, como os que contenham álcool, éter ou acetona. 

Por fim, mas não menos importante, as normas técnicas que regulam a aplicação variam de acordo com o setor produtivo: construção civil, automobilístico, linha branca, petróleo e gás. 

Em resumo, os modelos de tinta apresentados são eficazes para diferentes atividades econômicas e apresentam tecnologia para atender diferentes materiais e superfícies. Além disso, a pintura eletrostática a pó é uma alternativa sustentável para os trabalhadores e meio ambiente. 

No blog da ISMA você fica bem informado sobre os produtos empregados na atividade industrial. Acesse e confira conteúdos de qualidade.