Sistemas de estocagem

Sistemas de estocagem: conheça os tipos e tecnologias

A logística é influenciada diretamente pelo aumento da população e do consumo em todo o mundo. Para atender às necessidades de armazenagem e transporte de mercadorias, os sistemas de estocagem devem ser aprimorados constantemente.

Parte das mudanças deles vem da logística 4.0, com ferramentas digitais focadas em operações mais eficientes. Logo, visando a melhor experiência dos consumidores.

Ao longo do texto, conheça os principais tipos de sistemas de estocagem da atualidade. E, também, algumas tecnologias que apresentam o melhor custo-benefício nesse aperfeiçoamento impulsionado pelo conceito da indústria 4.0.

Sistemas de estocagem e armazenagem: qual a diferença

Inicialmente, é preciso saber que existem diferenças entre os conceitos de sistemas de armazenagem e sistemas de estocagem.

Armazenagem envolve todas as atividades desenvolvidas na operação. Ou seja:

  • Inventário,
  • Almoxarifados,
  • Estoque, 
  • Separação
  • Distribuição,
  • E assim por diante.

Estocagem é sobre o acondicionamento de matérias-primas, produtos semiacabados ou prontos para comercialização e consumo.

Portanto, conhecer sobre as distinções dos dois modelos é importante para entender como as vantagens tecnológicas podem auxiliar cada um.

Também vale a pena conhecer as principais funções da estocagem em uma operação:

  • Endereçamento do material até o local de estoque,
  • Movimentação das mercadorias e
  • Localização e controle dos itens armazenados.

Com esse entendimento, investir em sistemas de estocagem assertivos 

  • Mais agilidade e precisão nas operações,
  • Aumento da competitividade e
  • Uso eficiente dos recursos internos.

Qual o melhor método de estocagem?

Método de estocagem

Antes de responder à pergunta, é válido ressaltar que a organização do espaço no interior dos armazéns deve ser padronizada. Com isso, a localização dos produtos poderá ser feita de maneira ágil, descomplicada e mais segura; gerando eficiência em todo setor.

Sendo assim, a metodologia mais assertiva será aquela que atende à demanda atual do negócio e, inclusive, permite planos de expansão. Para tanto, considere:

  • Tamanho do espaço,
  • Quantidades, volumes e tipos de produtos, 
  • Métodos operacionais.

Dessa forma, temos as metodologias mais conhecidas da logística:

UEPS (Último a Entrar, Primeiro a Sair) 

Não é indicada para setor de perecíveis, como alimentos e remédios, porque pode causar a perda de mercadorias. 

Porém, ótima para precificar produtos a partir dos valores de aquisições usados na base de cálculos. Permite melhor planejamento produtivo.

PEPS (Primeiro que Entra, Primeiro que Sai) 

É bastante versátil e permite redução do giro do produto e aumento da qualidade do setor. Dessa forma, garante que os clientes vão receber os itens mais novos, reduzindo perdas por vencimento.

Outros métodos

Também é possível encontrar outras ideias para a gestão. Inclusive, compartilhando de fundamentos de várias metodologias. Entre elas:

  • O Just in Time (produção na quantidade exata, sem desperdício) e 
  • Modelo Lean (sistema que usa atualização de status).

As estratégias de estocagem

A título de esclarecimento, elencamos abaixo as duas principais estratégias mais comumente empregadas no setor logístico: estocagem fixa e estocagem livre. Conheça-as!

Estocagem fixa

Nessa metodologia é estabelecido um local determinado para armazenar um grupo de mercadorias. Por isso, somente itens do mesmo tipo serão acondicionados no espaço.

O ponto negativo é que pode ocorrer desperdício da área delimitada, em razão do alto fluxo de entrada e saída de materiais. Ou seja, se o espaço da mercadoria estiver livre, não é possível acomodar itens de outra natureza.

Estocagem livre

A metodologia livre de estocagem não determina áreas pontuais de armazenagem, exceto em casos de produtos especiais (refrigeração ou altamente tóxicos).

Por isso, é possível aproveitar espaços vazios para acomodar mercadorias excedentes. Lembrando que o sistema de localização deve ser preciso, de modo que o produto não fique “esquecido” em alguma região do galpão.

Os tipos de sistemas de estocagem que existem

Tipos de estocagem

Acima, vimos os métodos. Agora, quando se fala em tipos de sistemas de estocagem, é preciso considerar também as estruturas usadas nesses ambientes.

Conforme destacado antes, o melhor sistema depende de fatores como:

No mercado, estão disponíveis diversos modelos, com destaque para o sistema Porta-Paletes, o mais comum, representando a maioria das soluções personalizadas. O motivo tem a ver com os resultados oferecidos na rotina das operações.

No entanto, há outras que podem ser interessantes para a empresa, acompanhe!

Sistema Porta-Paletes

É a estrutura mais utilizada em diferentes segmentos. A funcionalidade de aproveitamento de espaço no armazenamento vertical e a alta seletividade facilita o acesso às mercadorias.

Outro diferencial é a variedade de acessórios para customização da estrutura conforme cada necessidade, permitindo a personalização dos projetos.

Clique aqui e saiba mais sobre o Porta-Paletes.

Sistema Flow Rack

O princípio de funcionamento do sistema Flow Rack é a movimentação por gravidade, indicado para pequenos volumes e de alta rotatividade.

Ele conta com esteiras inclinadas com rodízios que facilitam o deslocamento do produto armazenado. A estrutura é sustentada com laterais de Porta-Paletes ou cantoneiras. 

Clique aqui e saiba mais sobre o Flow Rack.

Sistema Cantilever

Já o sistema Cantilever é recomendado para acomodar produtos com grandes comprimentos ou formatos que fogem do padrão de caixas e outras cargas. Entre eles:

  • Barras,
  • Tubos,
  • Perfis e
  • Cargas especiais.

Com esse entendimento, vale esclarecer que o cantilever também é uma estrutura de alta seletividade de armazenamento, facilitando o acesso a qualquer item armazenado.

Clique aqui e saiba mais sobre o Cantilever.

Sistema Push Back

O sistema Push Back tem uma estrutura desenvolvida com foco na armazenagem de produtos com baixa seletividade e alta densidade.

Sendo assim, opera no sistema LIFO (Last In First Out). Ou seja, o último palete que entra é o primeiro a sair da estrutura.

Clique aqui e saiba mais sobre o Push Back.

Todas as estruturas ISMA

Acima, vimos alguns exemplos de estruturas que permitem aumentar a produtividade na armazenagem de mercadorias. 

Para conhecer todas as soluções customizadas ISMA, uma fabricante com mais de 50 anos de história, acesse o catálogo gratuito de produtos:

Clique e acesse o catálogo de sistemas de armazenagem da ISMA!

As tecnologias para sistemas de estocagem

Tecnologia dos sistemas de estocagem

A integração com as informações em tempo real dos sistemas de armazenagem é uma das maiores conquistas em termos de produtividade e precisão dos dados existentes em uma operação logística. Principalmente por permitir decisões mais rápidas e assertivas

Por isso, é fundamental para as empresas conhecerem as soluções que estão otimizando as atividades rotineiras. Muitas vezes não é apenas sobre pensar em adquirir espaços maiores, mas tem a ver com otimizar a operação atual a partir de dados e análises.

WMS

O primeiro exemplo, talvez o mais conhecido de todos, o WMS (no português, Sistema de Gerenciamento de Armazéns). É um sistema de gestão que utiliza um software para melhorar as operações do armazém, e consequentemente, dos sistemas de estocagem.

Logo, utilizar informações congregadas de transportadoras, fabricantes, clientes e fornecedores melhora expressivamente o desempenho das responsabilidades operacionais e administrativas. Para isso, opera em tempo real, com conexão online.

TMS

TMS é a Gestão de Transporte e Logística, o que também envolve um programa que otimiza a produtividade dos processos, só que focados na distribuição de produtos. Portanto, relaciona-se diretamente com a distribuição.

É curioso notar que ele também opera no transporte na totalidade, da contratação das empresas parceiras até o frete e auditorias.

RFID

A Radio Frequency Identification é o uso de tecnologias por meio de radiofrequência. O objetivo é capturar os dados a partir de algum método. É bastante popular em estoques, permitindo a captura automática de informações com transponders e tags.

Para facilitar, observe a RFID como uma espécie de melhoramento para o uso de código de barras. Por isso, permite simplificar a logística e gerar informações mais rapidamente.

SRM

O SRM é um sistema automatizado de controle de estoque. Possui funções tecnológicas para o fluxo de dados e toda a cadeia de suprimentos, integrando-as.

Na prática, podemos fazer um comparativo com o CRM de gestão de relacionamento, só que nesse caso, pensado na garantia da comunicação com os processos internos e, especialmente, os gestores.

Saiba mais sobre os sistemas de estocagem e a armazenagem

Como foi possível observar, os sistemas de estocagem funcionam em harmonia com as novas ferramentas tecnológicas. As possibilidades de automação dos serviços tendem a deixar o setor logístico ainda mais eficiente e seguro.

Ao mesmo tempo, contar com estruturas de armazenagem personalizadas e métodos de gestão que mais se adequam ao seu tipo de negócio faz todo sentido nessa busca por excelência operacional.

No nosso blog é possível conferir mais conteúdos relevantes, como esse, que envolvem as principais atividades e equipamentos logísticos. Confira esse acervo gratuito de notícias.